Segundo STJ, a devolução das aeronaves comprometeria a recuperação da empresa, além da possibilidade de danos a funcionários, consumidores e ao mercado aéreo.