Após quatro meses de altas sucessivas, a intenção de consumo das famílias brasileiras caiu. Em março, houve uma queda de 0,4% na comparação com fevereiro, de acordo com a CNC.

Além disso, segundo a entidade, o recuo no dado geral deu-se em virtude da queda de quatro dos sete subindicadores da pesquisa. Sendo eles: Momento para Duráveis (-2,4%), Nível de Consumo Atual (-1,5%), Perspectiva Profissional (-0,8%) e Emprego Atual (-0,2%).

Na comparação com março de 2018, o ICF apresentou alta de 11,4%. O número, aliás, foi puxado pelo crescimento dos subindicadores Nível de Consumo Atual (+19,5%) e Perspectiva de Consumo (+19,0%).


LEIA MAIS:
+ Visto eletrônico injeta cerca de R$450 milhões na economia em 2018
+ FecomercioSP: Isenção de vistos deve quadruplicar visitas ao Brasil
+ Melhor Câmbio aconselha viagens internacionais com queda do dólar

“A demora na implementação das reformas e do ambiente mais apropriado para investimentos vem ditando o ritmo lento da economia, de maneira que os preços têm-se mantido estáveis. Entretanto, o desemprego continua elevado, e os consumidores já não se apresentam tão otimistas quanto nos últimos quatro meses”, explica Antonio Everton, economista da CNC.

Condições de consumo

Contudo, apesar da alta de 0,4% do subindicador Compras a Prazo, as variações de Nível de Consumo Atual (-1,5%) e Momento para Duráveis (-2,4%) refletiram circunstâncias menos.

Além disso, a retração do Momento para a Aquisição de Bens Duráveis (-2,4%) teve forte influência da taxa referente às famílias com ganhos até 10 salários mínimos (-3,7%). Diferentemente, porém, das que recebiam mais do que este nível de remuneração (+2,0%).

Regiões e faixas de renda

Ademais, regionalmente, as famílias do Norte foram as únicas a demonstrar disposição para incrementar o padrão de gastos (+2,6%). Enquanto isso, o pessimismo foi disseminado nas demais regiões brasileiras, com destaque para o Centro-Oeste (-3,8%).

Entretanto, por faixa de renda, tanto as famílias com renda acima de dez salários mínimos quanto aquelas com ganhos até dez salários mínimos revelaram menor disposição para o consumo (-0,3% e -0,5%, respectivamente).


LEIA TAMBÉM:
CNC prevê crescimento de 2,3% no PIB em 2019; saiba mais
CNC registra aumento de 13,1% de consumo em fevereiro frente a 2018

O post CNC: Após quatro meses de alta, intenção de consumo diminui apareceu primeiro em Brasilturis Jornal – Tudo sobre o mercado de turismo no Brasil.