Na prática, as empresas aéreas maltesas e brasileiras poderão explorar até 14 voos de passageiros por semana com possibilidade de ligação com terceiros países