Presidente chegou a dizer que estaria inclinado a manter a gratuidade no despacho, mas tem até o meio de junho para dar a palavra final