Apenas Emirates, Qantas e Singapore, donas das 25 primeiras unidades do maior avião comercial do mundo, terão que seguir as novas diretrizes de manutenção