Para o Procon-SP, a promoção dos bilhetes da ação Gol a preço de Brahma deveria ser restrita ao consumidor final, que tem sua vulnerabilidade reconhecida pela lei